Copyright © 2015 by Revista Hobby News  ·  Todos os direitos reservados ·
Your Business Website
Your Company Slogan Here ...
Imperdível como sempre com várias matérias técnicas, novidades do mercado e repleta de informações.
Fique por dentro de tudo o que acontece no hobby/modelismo
.
Típico adolescente americano, nascido em 1999 em Michigan, o simpático e cativante Jase Dussia foi o convidado internacional da 3ª AVAFest, encantando a todos com sua simplicidade e perfeita integração com os pilotos brasileiros. Para mim foi um momento especial poder entrevistar, com exclusividade, este verdadeiro fenômeno da atualidade que junto de seus pais, John e Casie Dussia, curtiram cada minuto em Votuporanga. Gostaria, também, de expressar meu agradecimento a tradutora Nadie Souza, que sem sua assessoria e colaboração, teria sido impossível a elaboração deste trabalho.

HN- Como surgiu seu interesse pelo aeromodelismo e com que idade começou a praticar?
JD - Meu pai, John, já era praticante do hobby antes de meu nascimento, portanto, motores, fuselagens, asas e tudo o mais me acompanham desde sempre. Já com seis anos possuía meu próprio avião, mas somente aos sete anos pilotei de maneira “solo”, tendo como aeronave um Super Cub de três canais. Dai para frente foi muito treino e dedicação, com a grande vantagem de poder contar com a experiência e incentivo de meu grande professor, que é meu pai.

HN - Qual sua primeira competição importante?
JD - Sem dúvida foi a Competition King 50, no ano de 2011. Este fato me fez adquirir muita confiança e saber realmente, que a categoria 3D era a minha favorita.

HN - Optou pelo FreeStyle por ser uma das modalidades mais emocionantes?
JD - É uma categoria fascinante, onde o piloto pode utilizar toda a sua técnica, vontade de voar e principalmente, inovar e criar. Por permitir todas essas coisas maravilhosas no ar, o FreeStyle é realmente a minha preferida, sem dúvida.
      
HN - Em sua opinião, quais aeromodelos têm a fuselagem melhor balanceada e suporta mais “GS” de manobra?
JD - Assim fico em uma situação difícil, Margareth. Mas vou responder da seguinte forma; existem no mercado aviões fantásticos, de primeira linha, mas a minha preferência pessoal recai sobre os produtos da Extreme Flight RC, que são ótimos para o FreeStyle e 3D. Têm muitas virtudes e transmitem confiança para quem os pilota. São aviões cujos materiais estão sempre sendo constantemente melhorados, porém, não devemos esquecer que um bom motor, rádio controle, hélice e principalmente combustível de qualidade formam um grande conjunto, que podem te levar a um ótimo desempenho em competições.

JASE DUSSIA
ENTREVISTA COM UM CAMPEÃO

HN - Como é sua preparação antes de uma competição? E a manutenção de seus modelos?
JD - Primeiro devo dizer que pratico muito no simulador, para manter sempre meus reflexos apurados e poder de concentração, já a manutenção de meus aviões, ficam sob o comando de meu pai e equipe, que os mantém sempre em ótimas condições, facilitando muito a minha vida.

HN - Como é sentir-se um campeão?
JD - Sinto-me uma pessoa muito abençoada, pois me considero antes de tudo um piloto que adora o hobby. As conquistas foram acontecendo de maneira natural, obviamente lastreado por muito trabalho, treinamento, dedicação e com o apoio irrestrito de meus pais, que sempre me incentivaram. Portanto, o título de campeão é apenas uma consequência. Gosto mesmo é de voar!

HN - Quais seus planos para o futuro?
JD - Ainda não pensei muito sobre o assunto, estou vivendo o meu momento e aproveitado as oportunidades apresentadas.

HN - Como está sendo sua visita ao Brasil e o que está sendo para você a oportunidade de estar na 3ª AVAFEST e poder estar em contato com os pilotos brasileiros?
JD - Uma grande oportunidade de conhecer e aprender com todos. O carinho que todos estão tendo comigo e com meus pais, serão sempre lembrados. Tudo é diferente e fascinante, principalmente a comida, que ainda não tinha experimentado o espetinho de churrasco e a farofa. Tudo muito alegre e descontraído, portanto posso dizer que estou me divertindo muito.

HN - E para encerrar, poderia dar algum conselho para os praticantes deste hobby no Brasil?
JD - Não sou muito bom em conselhos, mas posso dizer, com certeza, de que o treinamento é muito importante, o equipamento também, mas o que dever ser levado em conta e o principal objetivo é a diversão, é gostar de voar e aproveitar cada minuto no ar.

Logo ao encerrar a entrevista, em sinal de agradecimento, dei de presente ao Jase um “pin” com a bandeira do Brasil, que imediatamente retirou da embalagem e colocou em sua camiseta, demonstrando, mais uma vez, sua simpatia e bom humor. Realmente, fiquei vivamente impressionada com a doçura desta família que veio de longe, para conhecer Votuporanga e o evento e retornar ao Estados Unidos, com toda certeza, com uma ótima impressão de nosso país.